Porque usar o Circles

Precisamos ser alertados o quanto antes quando alguém que está a 3 ou 4 níveis de separação de nós apresenta um sintoma, pois a maioria das transmissões é pré-sintomática. Sendo assim, podemos evitar o contato com pessoas pré ou assintomáticas que tiveram contato com a pessoa que apresentou sintomas.

Precisamos do Circles pois a vacina vai demorar para chegar em todas as pessoas, não sabemos o grau de eficácia das vacinas que chegarão ao Brasil, mas nenhuma chega a 100%. Além disso, muitas pessoas não vão se vacinar. Também não sabemos por quantos meses a vacina oferece proteção.

Precisamos estar alertas para as próximas pandemias. Está claro que a perda de vidas humanas e o impacto econômico, principalmente nas comunidades mais vulneráveis não pode se repetir. Se mantivermos um monitoramento contínuo, conseguiremos enxergar qualquer anormalidade no sistema, antes que um novo vírus se espalhe com a velocidade que o sars-cov-2 se espalhou.

A Covid-19 não é a única doença respiratória causada por vírus. Ao mantermos nossos círculos de proteção ativados, vamos minimizar e talvez bloquear os efeitos de outros vírus como o H1N1.

Como funciona

A partir da criação de vários Círculos de Proteção, o Circles cria as bases para uma Rede Global de Proteção Contra Doenças Respiratórias Contagiosas. Cada um cuida do círculo que criou e todos cuidam da Rede.

São apenas 4 passos:

1

Abra o Circles em circles.health/app

2

Convide as pessoas próximas de você a participar do seu Círculo.

3

Responda periodicamente se você está se sentindo bem.

4

Quando receber o alerta de que alguém na sua rede está com sintomas, proteja-se.

Quais são os status de exposição

Preto - Risco de Exposição Baixo

São usuários que informaram não estarem com sintomas, e que não tiveram contato com alguém que apresentou sintomas.

Amarelo - Risco de Exposição Indefinido

São usuários que não se conectaram as pessoas que as adicionaram no Círculo de Proteção e/ou usuários que não responderam a pergunta sobre sintomas nos últimos 2 dias.

Laranja - Risco de Exposição Médio

São usuários que informaram não estarem com sintomas, mas que tiveram contato com alguém que apresentou sintomas nos últimos quatro dias.

Vermelho - Risco de Exposição Alto

São usuários que informaram que estão com sintomas.

Quando alguém neste círculo informa que tem um sintoma de doença respiratória contagiosa como a Covid-19, o sistema transforma seus status de preto para vermelho e informa todos os usuários conectados a este Círculo de Proteção. Os usuários respondem se estiveram com a pessoa infectada nos últimos 4 dias. Se a resposta é positiva, Circles marca essa pessoa com a cor laranja e avisa os contatos delas.

Privacidade

Para nós, a questão da privacidade é fundamental. Não queremos viver em um mundo onde a movimentação e a interação das pessoas seja mais monitorada do que ela já é. Portanto nossa tecnologia não utiliza dados coletados do GPS ou do Bluetooth dos usuários. Só coletamos os dados necessários para estabelecer o Círculo de Proteção entre os usuários. Os usuários só recebem informações do status de exposição de usuários que também adicionaram eles em seus círculos. Ninguém tem acesso ao nome do segundo nível de proteção, os contatos dos contatos.

Quando um usuário marca que teve proximidade com algum usuário da lista vermelha ou laranja, ele não informa com quem especificamente esteve. E mesmo que só haja uma pessoa na lista, nosso sistema não grava o contato, mas simplesmente alteram o status do usuário que informou o contato, para o novo status. Ou seja, não há a informação no nosso banco de dados que A esteve com B.

Após várias iterações conseguimos chegar num equilíbrio entre privacidade e efetividade da tecnologia, algo muito importante para o Adam Kucharsky também: 

"Quando eu e meus colaboradores trabalhamos em projetos envolvendo dados de sobre movimento (localização), a privacidade é de extrema importância. Por um lado queremos coletar os dados mais úteis que pudermos, especialmente se esses dados puderem proteger as comunidades de novos surtos. Por outro lado, precisamos proteger a vida privada dos indivíduos nas comunidades, mesmo que isso signifique limitar a informação que coletamos ou publicamos."
(Kucharsky, pg 505, tradução livre do original).


Financiamento

Queremos que o Circles seja sempre gratuito para o usuário e não vamos vender os dados dos usuários para financiar o projeto. Temos certeza que o Circles vai gerar grandes economias para organizações públicas e privadas e acreditamos que parte dessa economia pode ser direcionada para que o projeto continue funcionando e evoluindo. Nossa equipe está pronta para ajudar sua organização a implementar e, se necessário, adaptar o Circles à sua realidade. Entre em contato clicando aqui.

O Circles foi desenhado para se adaptar rapidamente às informações mais recentes sobre a pandemia bem como a características locais específicas.

Qualquer pessoa ou organização pode realizar um apoio financeiro diretamente para o projeto. Para apoiar como pessoa física clique aqui, para apoiar como organização entre em contato aqui.

Se você quer oferecer o Circles em Organizações com as quais tem relacionamento entre em contato para conversarmos sobre comissionamento.

Equipe responsável

Marcelo Michelsohn

Sempre trabalhou para trazer inovações para o mundo real. Começou criando a área de Sustentabilidade do Banco ABN AMRO no Brasil, Europa e EUA. Depois apoiou agricultores na implementação da primeira feira agroecológica do município de Cunha (SP). Em seguida criou uma metodologia para apoiar pais e mães na criação dos seus filhos durante a primeira infância, apoiando milhares de famílias remotamente desde 2015.

Diogo Carlotto

Iniciou como desenvolvedor de software em 1994. passando a desenvolver aplicações web em 1999 e Inteligência artificial em 2012. Embora com uma longa experiência com desenvolvimento de software e tecnologia, dedicou igual tempo a estudar economia, sustentabilidade e padrões de consumo, criando iniciativas disruptivas nessas áreas.

Daniel Carlotto

Começou sua trajetória profissional trabalhando em empresas como Parks, GVT e Dell. Nos últimos 10 anos se dedicou ao empreendedorismo em projetos voltados a negócios digitais, marketing e inovação.

Apoio organizacional

Semente Negócios, na figura do Marcio Jappe

Sócio-fundador da Semente Negócios, apoia corporações, startups e negócios de impacto na adoção do mindset e aplicação de conceitos e ferramentas do empreendedorismo inovador. Mestre em Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade pela UFRGS. Foi Diretor da Artemisia, consultor da McKinsey&Co, e especialista em sustentabilidade no ABN AMRO Bank em São Paulo e em Amsterdã, e Microsoft em Madri.

Princípios do Circles

O Circles se baseia em princípios articulados pelo Diogo Carlotto neste texto do dia 15 de abril de 2020 que foram validados pelos conceitos propostos por Adam Kucharsky em seu livro "As Regras do Contágio".

Oportunidade de Contágio e Círculo de Proteção:

Segundo Adam Kucharsky o número de novas infecções que uma pessoa infectada pode gerar é chamado de R. Esse índice é obtido da seguinte maneira  “R = Duração × Oportunidades × Probabilidade de Transmissão  × Susceptibilidade” (Kucharsky, pg 121, tradução livre do original).

Quando o R é maior que 1, significa que o contágio está aumentando. Quando o R é menor que 1, a curva de contágio está na descendente. Quanto mais conseguirmos diminuir cada fator, menor será o R.

Circles atua diretamente no fator Oportunidades de contágio. Quando o sistema avisa ao Círculo de Proteção que alguém informou estar com sintoma ou ter tido contato com alguém que teve sintoma, os outros usuários devem responder se também tiveram contato com essa pessoa nos últimos quatro dias.  Se não tiveram contato, estão com Risco de Exposição Baixo e sabem que não devem se encontrar com as pessoas marcadas como vermelho ou laranja por 14 dias após o último dia de sintomas. Se tiveram contato nos últimos 4 dias, estão com Risco de Exposição Médio e devem consultar um médico e seguir os protocolos recomendados.

Ainda não existe um número preciso para sabermos a porcentagem de pessoas transmissoras que não terão quaisquer sintomas, mas sabemos que o momento de maior transmissão geralmente acontece 1 ou 2 dias das pessoas apresentarem ou perceberem sintomas 
Por isso nosso sistema se baseia no Círculo de Proteção de dois níveis: contatos e contatos dos contatos.

"Se quisermos prever o risco de infecção de uma pessoa, não é suficiente medir quantos contatos tiveram. Precisamos pensar nos contatos dos contatos e até nos contatos dos contatos dos contatos. Uma pessoa com aparentemente poucas interações pode estar a poucos passos de um ambiente de alta transmissibilidade como uma escola." ((Kucharsky, pg 184, tradução livre do original).

No imagem acima podemos ver dois Círculos de Proteção com uma pessoa em comum. Dessa maneira que o Circles cria as bases para a construção de uma Rede de Proteção. Neste caso, Edu informou que estava com sintomas. Carlos, que ainda não está com sintomas, informou que esteve com Edu nos últimos 4 dias. Daniela recebeu a informação que alguém no Círculo dela teve contato com alguém que está com sintomas. Ela entrou na plataforma web e viu que era o Carlos. Eles se falaram e decidiram manter um isolamento mútuo. Depois de 2 dias. Carlos teve seus primeiros sintomas. É dessa forma que o Circles tem a possibilidade de prever o risco de exposição antes de aparecerem os sintomas.

No caso acima, o Carlos interrompeu a transmissão. Essa figura é chamada de "interruptor" pelo Adam Kucharsky no contexto de um projeto de controle de violência mas que se aplica ao contexto de doenças transmissíveis. "O contágio da violência com armas de fogo compartilha dessas características: a violência é transmitida por conexões sociais conhecidas e o intervalo entre um evento e o próximo é longo o suficiente para os "interruptores" intervirem."  (Kucharsky, pg 258, tradução livre do original).

Com as doenças respiratórias transmissíveis o intervalo nem sempre é tão grande e por isso o Circles envia um alerta automático assim que alguém no Círculo de Proteção informou estar com sintomas ou ter tido contato com alguém que teve sintomas.

Auto-monitoramento

Como o Diogo Carlotto escreveu em abril, "A ideia essencial por trás dessa abordagem é fornecer algo como um Aplicativo de Celular capaz de dar protagonismo para a participação ativa das pessoas e de suas relações sociais." Essa ideia norteou nossa abordagem desde o princípio. "Ao invés de analisar a vida das pessoas sem o conhecimento delas, deixe que elas pesem os benefícios e os riscos. Envolva as pessoas na discussão; pense em termos de pedir permissão ao invés de pedir perdão."(Kucharsky, pg 530, tradução livre do original).

Acreditamos que a participação ativa das pessoas permite que elas se enxerguem como parte da solução e não como objetos a serem controlados ou sujeitados de fora para dentro. A participação cria comprometimento e gera uma auto-educação, pois cada um tem que pensar em como vai utilizar o sistema, o que vai responder. Gera também uma auto-responsabilização pela própria vida e pela vida do Círculo de Proteção. Ainda segundo Carlotto, "o conjunto de perguntas de automonitoramento disponibilizados no Aplicativo devem, primeiro, e nessa ordem;

1. Dar ao usuário a percepção de um benefício individual imediato, onde cada interação com o Aplicativo resulte em uma resposta do risco que ele possui de ter contraído o SARS-Cov-2 ou outra doença respiratória infecciosa.

2. Transmitir a sensação de que a cada interação ele está contribuindo para proteger a si mesmo, pessoas próximas e a sociedade de modo geral; terceiro: indicar protocolos de ação de acordo com o resultado do seu automonitoramento.